Paixão: O Combustível da Persistência

fevereiro 16th, 2012 by J Menezes

Enquanto estava lendo uma revista num consultório odontológico, Philippe Petit foi envolvido num artigo sobre as Torres Gêmeas, em Nova York. Como artista de rua de 18 anos de idade, Petit estava constantemente à procura de locais para seus atos de equilíbrio em corda bamba. Estudando a performance de um artista do World Trade Center, Petit surgiu com uma visão de andar em uma corda bamba entre as duas torres.

Pelos seis anos seguintes, Petit focou exclusivamente em seu sonho aparentemente absurdo. Ele colecionou todas as informações que pôde encontrar sobre a arquitetura das Torres Gêmeas, praticou incansavelmente seu número de equilíbrio e economizou dinheiro pra voar para a América. Ao chegar aos Estados Unidos, ele não perdeu tempo em observar o World Trade Center.

Sob uma variedade de pretextos, Petit e seus amigos pesquisaram as torres. Numa terça-feira à noite, Petit e companhia subiram nas torres com o equipamento a tiracolo. Usando arco e flecha, eles atiraram uma linha da torre norte para a torre sul e passaram o resto da noite freneticamente armando um cabo de aço de uma polegada entre as torres.

Quarta, de manhã cedo, com a azáfema de Wall Street ainda começando, Petit montou a corda bamba para sua performance. Enquanto curiosos impressionados maravilhavam-se com a vista, autoridades locais reuniam-se para apreender o equilibrista. Como um consumado showman, Petit focou em seu ato, recusando ser influenciado pelos policiais que gritavam para que ele parasse. Depois de oito caminhadas indo e voltando, Petit finalmente se entregou.

Petit poderia ter deixado as distrações desfocá-lo de seus sonhos. Levantar dinheiro para o esquema, evitar a segurança para subir nas torres e esticar um cabo entre os dois arranha-céus parecia algo impossível. Entretanto, a magnitude da paixão de Petit em conquistar sua visão minimizou os obstáculos.

Pontos Chave sobre Paixão

1)      O fogo interior de uma pessoa o impulsiona a se sobressair. Simplificando, o desejo determina o destino. Como regra, líderes influenciam proporcionalmente ao tamanho da chama que queima dentro deles.

2)      Paixão abastece líderes com uma vantagem extra sobre a concorrência. Depois de uma competição, comentadores esportivos ocasionalmente observam como o lado vencedor “queria mais”. Todo o resto sendo igual, o mais apaixonado time normalmente prevalece.

3)      Paixão torna o impossível possível. As pessoas estão por um fio, tanto que quando seus espíritos “pegam fogo”, eles não se encolhem diante dos desafios. É isso que torna um líder apaixonado particularmente eficaz. Ele ou ela concebe as possibilidades e oportunidades para o progresso enquanto pessoas não apaixonadas vêem somente os bloqueios e os motivos pelos quais uma visão não pode ser alcançada.

Aplicação: Verifique Sua Temperatura

Consulte três pessoas (como esposa, mentor ou um colega de trabalho de confiança) para lhe dar um feedback honesto sobre o nível de paixão que ele percebe em você pelo seu trabalho. Pergunte sobre as formas através das quais sua paixão se manifesta de forma evidente. Se ele considerar sua paixão baixa, então faça uma busca pela sua alma para recapturar o entusiasmo pelo seu trabalho. Por que você ingressou nessa profissão (negócio)? O que um dia lhe empolgou em seu trabalho que não é mais uma fonte de inspiração? Em posse de suas respostas a essas perguntas, reflita sobre formas de resgatar sua paixão.

Zig Ziglar

(Traduzido por Luciana Braga revisado por David Menezes)

Comentários

Comentar

;
;